Neurocientistas do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) deram um passo importante em direção aos estudos sobre os mistérios do nosso cérebro. Em um estudo recente, publicado hoje na Revista Nature, eles relataram que duas classes principais de células cerebrais reprimem a atividade neural em determinadas formas matemáticas.
Neurocientistas do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) deram um passo importante em direção aos estudos sobre os mistérios do nosso cérebro. Em um estudo recente, publicado hoje na Revista Nature, eles relataram que duas classes principais de células cerebrais reprimem a atividade neural em determinadas formas matemáticas.

São cálculos muito simples, mas profundo. O grande desafio para a neurociência é conceituar quantidades maciças de dados em um quadro que pode ser colocado na linguagem da computação. Tinha sido um mistério como estes diferentes tipos de células conseguem isso. diz Mriganka Sur, professor de Neurociência e autor do artigo da Nature

Simples cálculos matemáticos e circuitos cerebrais
Uma imagem de neurônios de um paciente com epilepsia.

As descobertas podem ajudar os cientistas a aprender mais sobre as doenças que se pensa ser causada por desequilíbrios na inibição e excitação do cérebro, incluindo o autismo, esquizofrenia e transtorno bipolar.

Leia o artigo na íntegra visitando a página oficial de notícias do MIT - MIT News. (em inglês)

Edigley Alexandre

Edigley Alexandre

Graduado em Matemática pelo DME na UERN em 2007, leciona Geometria, Matemática e Física. Blogueiro Part-Time desde 2007. Membro do Google+ Create em Português. Seu interesse é compartilhar conhecimento matemático interligado à Tecnologia da Informação e Comunicação, assim como artigos de opinião sobre Educação, Matemática e Educação Matemática.

Os comentários serão moderados pelo autor do blog. Respondo todas as segundas-feiras, terças-feiras e finais de semana.

É muito bom ler comentários, porém atente para algumas regras muito importantes antes de enviar a sua colaboração para este artigo.


Comente este artigo:

0 comentários: