Quando se fala em uma atividade matemática, diversas características vêm a mente: investigativa, aberta, manipulativa, contextualizada, difícil, longa, lúdica, criativa, etc. Mas será que é possível encontrar algum tipo de padrão nesse mar de adjetivos?
Quando se fala em uma atividade matemática, diversas características vêm a mente: investigativa, aberta, manipulativa, contextualizada, difícil, longa, lúdica, criativa, etc. Mas será que é possível encontrar algum tipo de padrão nesse mar de adjetivos?

Essa é a pergunta por trás de um projeto de pesquisa liderado pelos pesquisadores britânicos Dr. Colin Foster (University of Nottingham) e Dr. Matthew Inglis (University of Loughborough).

A primeira etapa do projeto foi solicitar que professores de matemática britânicos indicassem o quão bem cada um dos adjetivos de uma lista, com cerca de 80, descrevem uma atividade que ele tenha usado em sala de aula. Através de uma análise fatorial, eles concluíram que esses adjetivos, na verdade, se agrupam em apenas 7 categorias distintas e independentes. Seria como se atividades matemáticas fossem objetos com 7 dimensões¹.

 Quantas dimensões tem uma atividade de matemática? [pesquisa]

A segunda etapa consiste em verificar se professores concordam quanto à classificação de uma atividade matemática dada de acordo com essas 7 dimensões. Essa etapa da pesquisa ainda está em andamento.

Mas será que essas dimensões variam de um país para outro?

Por um lado, como os contextos de trabalho e a prática de professores de matemática podem ser muito diferentes de um país para outro, é razoável esperar que sim. Por outro lado, como o currículo e os objetivos do ensino de matemática são bastante similares ao redor do globo, também é razoável esperar que essa variação não seja tão grande.

Por esse motivo, a primeira etapa da pesquisa foi traduzida para o português por Leonardo Barichello e Rita Santos Guimarães, e está sendo executada no Brasil. Você pode colaborar respondendo ao questionário clicando no botão abaixo (leva menos de 10 minutos).

Responder pesquisa
Os resultados dessa pesquisa poderão ajudar no entendimento das atividades matemática em si e também na melhoria da comunicação entre professores, gestores, autores de livros, materiais didáticos e documentos oficiais.

Este é um guest post (artigo convidado). Foi escrito e enviado por Leonardo Barichello e Rita Santos Guimarães.

Leonardo Barichello fez parte da equipe de desenvolvimento da coleção Matemática Multimídia, deu aula de matemática, programação de computadores e robótica por alguns anos e agora está fazendo doutorado em Educação Matemática na Universidade de Nottingham (Reino Unido).

Rita Santos Guimarães foi professora de Matemática no ensino Fundamental, Médio e Superior e tem experiência em formação de professores presencial e à distância. Atualmente, está fazendo doutorado em Educação Matemática na Universidade de Nottingham (Reino Unido).


¹A mesma técnica foi utilizada para responder à pergunta: o que matemáticos querem dizer quando usam termos como “profunda”, “elegante” e “bonita”? A análise mostrou que as características atribuídas por matemáticos a uma demonstração variam em quatro dimensões. Se você se interessou, leia o artigo “Beauty Is Not Simplicity: An Analysis of Mathematicians' Proof Appraisals”.
Autor convidado

Autor convidado

Esse artigo foi enviado e escrito por um autor convidado. Confira as informações sobre o autor no final do artigo. Quer enviar um artigo para o blog?

Os comentários serão moderados pelo autor do blog. Respondo todas as segundas-feiras, terças-feiras e finais de semana.

É muito bom ler comentários, porém atente para algumas regras muito importantes antes de enviar a sua colaboração para este artigo.


Comente este artigo:

1 comentários:

  1. Convido todos os professores de Matemática a responderem o questionário e peço que ajudem na divulgação, se possível.

    ResponderExcluir