Verdades escondidas permeiam nosso mundo; são inacessíveis aos nossos sentidos; mas a matemática nos permite ir além de nossa intuição para desvendar seus mistérios. Neste levantamento de descobertas matemáticas, o ganhador da Medalha Fields, Cedric Villani, fala sobre a emoção da descoberta e detalha a vida por vezes desconcertante de um matemático.
A Matemática está presente em nosso dia a dia, disso já sabemos. Mas, você consegue enxergar o quanto ela é atraente? Está aqui um verbo muito lindo que muitos provavelmente nunca conjugaram durante uma aula ou em exercícios de raciocínio lógico dedutivo (me incluo).

Assim como a beleza de um pôr do sol, de um ipê na primavera, um código fonte bem endentado (risos), etc., a Matemática tem, em suas características, belezas tão atraentes quanto os objetos que nos cercam. Abrir os olhos para a Matemática não significa entender de cálculos e mais cálculos, o prazer de enxergá-la pode começar com um simples exercício de imaginação.

Deve ser incrível assistir essas palestras TED ao vivo com matemáticos. Essa é a terceira que compartilho por aqui. A primeira foi A Matemática é eterna com o matemático Eduardo Sáenz de Cabezón. A segunda foi Por que a letra "x" foi a escolhida para representar o desconhecido na Matemática?

E agora compartilho mais um ótimo vídeo: O que há de tão atraente na Matemática? com o matemático francês, ganhador da Medalha Fields em 2010, Cédric Villani. O vídeo tem mais de 1 657 555 visualizações.

O que há de tão atraente na Matemática? [TED com Cédric Villani]

Descrição do vídeo

Verdades escondidas permeiam nosso mundo; são inacessíveis aos nossos sentidos; mas a matemática nos permite ir além de nossa intuição para desvendar seus mistérios. Neste levantamento de descobertas matemáticas, o ganhador da Medalha Fields, Cedric Villani, fala sobre a emoção da descoberta e detalha a vida por vezes desconcertante de um matemático. "Belas explicações matemáticas não são somente para nosso prazer", diz ele. "Elas mudam nossa visão do mundo."

Baixar esse vídeo Outros idiomas

Conteúdos:


Edigley Alexandre

Edigley Alexandre

Graduado em Matemática pelo DME na UERN em 2007, leciona Geometria, Matemática e Física. Blogueiro Part-Time desde 2007. Membro do Google+ Create em Português. Seu interesse é compartilhar conhecimento matemático interligado à Tecnologia da Informação e Comunicação, assim como artigos de opinião sobre Educação, Matemática e Educação Matemática.

Os comentários serão moderados pelo autor do blog. Respondo todas as segundas-feiras, terças-feiras e finais de semana.

É muito bom ler comentários, porém atente para algumas regras muito importantes antes de enviar a sua colaboração para este artigo.


Comente este artigo:

2 comentários:

  1. Que massa! Algo que chamou minha atenção foi quando ele comentou que, mesmo após ter ido dormir, o cérebro dele ficou trabalhando e acabou chegando assim à solução do problema. Isso é exatamente o que as pesquisas sobre aprendizado indicam e, por isso, o sono é um pilar importantíssimo do processo do aprendizado. Valeu!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Carlos!

      Na época da faculdade muitas vezes tentava resolver um exercícios que já durava dias sem solução. Então dava um tempo e ia fazer outra coisa. Curiosamente, as vezes que tive uma "luz" para o problema foi depois de um cochilo ou noite bem tranquila. Sempre quando ia dormir deixava um bloco de papel e caneta ao lado da cama. Quando acordava tinha alguma ideia repentina e anotava tudo.

      O descanso mental é importante.

      Abraço!

      Excluir